« SOFT SOUL TRANSITION - S.S.T. ...
Game HitВґs (1983) »
ENTREVISTA COM JIM KERR (SIMPLE MINDS)

ENTREVISTA COM JIM KERR (SIMPLE MINDS)

Music Box
• Year : 0
• On demand! (album available 128-320kbs)*    

0


Label

Album Info


alt

Vocalista da banda Simple Minds fala sobre a dГ©cada de 1980, 30 anos de carreira e o show em BrasГ­lia.


Os ventos da música pop nem sempre facilitaram o voo do Simple Minds. Mas, prestes a gravar o 16º disco da carreira, uma das bandas mais populares dos anos 1980 parece finalmente ter aprendido a não se abalar pelas turbulências do showbusiness. Regra número um: fazer justiça ao próprio nome. Simples como nunca, essa aeronave trintona, escocesa, desembarca em Brasília no dia 21, no Ginásio Nilson Nelson. “Nossa missão é provar aos brasileiros que ainda temos energia. Somos uma banda melhor do que aquela dos anos 1980�, garante o vocalista Jim Kerr, 51 anos, o piloto inabalável.
O autor de sucessos como Alive and kicking conversou com o Correio por telefone, de um hotel em Paris. No dia seguinte, o band leader cumpriria um antigo ritual: no palco do Festival des Voix du Gaou, interpretaria 22 canções que ele chama de “clássicas�. Para os fãs, o Simple Minds merece o adjetivo — mais do que um grupo de rock, trata-se de um sobrevivente. Encomendado para a trilha do filme O clube dos cinco, de 1985, o hit Don’t you (forget about me), escrito por Keith Forsey, é apenas um dos sinais de longevidade de um grupo que, por muito tempo, foi tratado como um “genérico� do U2.

Г‰ nos palcos, no entanto, que as turbinas do quarteto ganham potГЄncia mГЎxima. Mas o traquejo nГЈo amaciou o baque que o grupo, formado em 1978, sofreu durante os anos 1990. ApГіs vГЎrias trocas de integrantes, sГі restaram Kerr e o guitarrista e tecladista Charles Burchill, amigos de infГўncia. O baterista Mel Gaynor estГЎ na banda desde 1982, mas entre idas e vindas.
A reinvenção do Simple Minds foi providenciada, em grande parte, pelos fãs. Os shows voltaram a lotar. O disco Graffiti soul, lançado no ano passado, recebeu até adjetivos bondosos da crítica. Hoje, Kerr vive entre Nice (França) e Sicília (Itália). Já Burchill mora em Roma. “Ainda somos melhores amigos. Durante a turnê, dentro do ônibus, conseguimos conversar por cinco, seis horas, sobre todo tipo de assunto�, conta Kerr.

O ativismo político — que era “in� nos anos 1980 — deixou a lista de prioridades do cantor. O mundo anda complicado, ele explica. E o pop não é mais o mesmo. Há duas décadas, o ex-marido de Chrissie Hynde (Pretenders) divagava sobre o Muro de Berlim e o apartheid. Hoje, prefere se dedicar à procura pelo refrão mais agradável e a um sutil recomeço, no projeto paralelo Lostboy. Em entrevista ao Correio, o vocalista comenta o legado do rock dos anos 1980 e explica a nova fase do grupo. “Tenho experiência, mas adoro a sensação de começar do zero�, revela.
O rock dos anos 1980 estГЎ em alta. A dГ©cada foi finalmente reabilitada?
Acredito que sim. Г‰ verdade. Por muito tempo, os anos 1980 foram criticados. Diziam que era um perГ­odo de pompa, de exageros. Mas acredito que, para que um determinado perГ­odo da histГіria da mГєsica seja reconhecido, sempre leva um tempo. Mas hoje, felizmente, a dГ©cada voltou a ser conhecida como um perГ­odo de boa mГєsica.



O Simple Minds, apesar dessa onda, se torna uma banda cada vez mais direta. Г‰ o caminho?
A banda passou a lidar com a mГєsica de uma forma mais simples. Г‰ uma forma de gravar que, no momento, nos interessa mais. Г‰ inevitГЎvel. Mas nГЈo Г© uma escolha radical: nГіs amamos os anos 1980 e amamos o tempo presente. Principalmente, amamos o que estamos fazendo neste exato momento.

As letras da banda estГЈo menos engajadas. PolГ­tica ainda combina com rock?
Eu acredito que a polГ­tica mudou desde os anos 1980. Os problemas mudaram. As questГµes sГЈo diferentes. Nos anos 1980, a realidade mundial era muito polarizada. Era fГЎcil identificar os malvados, os vilГµes. Havia Ronald Reagan, por exemplo, o Muro de Berlim, o apartheid. Agora o mundo estГЎ diferente, mais complexo. Mas ainda acho que a arte pode ajudar a organizar opiniГµes, a mostrar o que estГЎ acontecendo no planeta. O problema Г© que a mГєsica nГЈo tem mais o poder de formar grandes plateias. Nos anos 1980, todo mundo ouvia mГєsica. A mensagem chegava a todos.

Hoje, são poucas as megabandas… Ficou mais difícil formar um público grande. Meu filho mais novo, que tem 18 anos, é um exemplo disso. Ele gosta de uma banda que só tem um disco e, pouco tempo depois, deixa de gostar. Talvez tenha aumentado o deficit de atenção de quem ouve música.

Com a internet e os selos independentes, hГЎ cada vez mais bandas iniciantes. Mas poucas duram tanto quanto um Simple Minds, um U2. O que acontece?
Eu percebo muitos casos de bandas que se destacam logo na estreia. Elas aparecem e têm apenas um grande disco. Não sei o que acontece… Mas talvez não seja bom fazer sucesso logo no início da carreira. Talvez você deva buscar o sucesso depois do quarto, quinto disco. Pense em algumas das bandas mais conhecidas dos anos 1980, como o U2 e o Depeche Mode. Elas não fizeram sucesso nos três primeiros discos. Elas tiveram que gravar mais álbuns. Quando você está no começo da carreira, o momento é de aprender a sua arte. E isso demora um pouco.

Existe segredo para a longevidade no mundo pop?
Não acho que exista segredo… Mas há certas condições que são mais adequadas do que as outras. Bandas não costumam durar muito tempo. Eu sei disso. Normalmente elas acabam, é natural. Eu acho que é até uma questão de temperamento, entende? Há pessoas que são ótimos artistas, mas que não se adaptam a esse estilo de vida. Pessoas que não gostam de aparecer na mídia, que não gostam de viajar. Talvez eles sejam capazes de escrever ótimas canções, mas dão péssimas entrevistas.

Aumentou a pressГЈo sobre as bandas novas?
Não acho que as cobranças sejam maiores. É complicado (fazer sucesso), era complicado e vai continuar a ser complicado. E acho até que essa complicação é necessária. Fazer boa arte não é coisa fácil. É claro que qualquer um deve se arriscar. Se você acha que tem talento, é importante tentar. Mas não será todo mundo que vai fazer bem. Eu, por exemplo, adoraria jogar futebol pelo Barcelona. Mas isso não vai acontecer. Bem… Talvez aconteça (risos).

Numa banda que já experimentou do punk, do pop e da eletrônica, haveria espaço para a música brasileira?
A música brasileira é tratada com respeito no mundo inteiro. O Brasil criou um ritmo próprio, uma mistura muito particular, com raízes africanas. Desconfio que seja um pouco como o futebol brasileiro. Mas não sei se eu conseguiria me inspirar na música do seu país. A música que eu faço vem do lugar onde eu nasci, vem da forma como eu fui criado. Mas sabemos que o Brasil é um país musical, um país de artistas. Até o presidente do Brasil parece um artista, não é?

O que BrasГ­lia inspira?
Recentemente, li um texto de uma pessoa que esteve em Brasília. Eu sei que as cidades brasileiras são muito diferentes umas das outras, que o Rio é muito diferente de São Paulo. Alguém me disse que Brasília é um lugar muito agradável porque é uma cidade grande, mas com muito espaço livre. Estou ansioso.

SIMPLE MINDS EM BRAS�LIA
Sábado, 21 de agosto, no Ginásio Nilson Nelson. Ingressos a R$ 80 (área Zoon) e R$ 150 (área VIP, com open bar). Preços de meia entrada. Pontos de venda: lojas Free Corner, Informações: 8215- 7822 / 8118-6800. Não recomendado para menores de 14 anos.
Por:
Tiago Faria


#tags
The album code is : ODI164775


You would like to permanently remove ads and unlock benefits?


We display ads sparingly on website to help cover costs without interfering with the browsing experience.
Tired of advertising and pop-ups? Join Now on OdiMusic. Register on OdiMusic allows you to access to the minimum resources, minimum advertising (no pop-ups),
if you choose to subscribe for one of our plans after registration you can acces more than 1.000.000 Albums, Maxi, Cds, Vinyls releases inside! (80% on demand) (requests, informations, images, tracklists, reviews, ask for supports & much more!!!)